Pular para o conteúdo principal

Hora de Ler: Ponte Para Terabítia - Katherine Paterson


E aí pessoal?! Depois de um mês cheio com o Meme Literário estamos voltando aos poucos com as resenhas e conteúdo do Tedio, e hoje um livro espetacular!
Confesso que terminei o livro na semana passada mas até então não tinha feito a resenha pois não sabia nem sei ainda por onde começar, sem esquecer os detalhes.... Então vamos lá.


Jess Aarons é uma criança solitária e incompreendida, de poucos amigos e objetivos certeiros, mora num local digamos que "isolado" e em casa não tem as melhores relações com o resto da família, não bastasse isso ele ainda sofre bullying na escola. Eis que tudo isso começa a mudar com a chegada de Leslie, uma menina doce, inteligente e que enxerga as coisas muito além do que elas são, de uma mente fértil se torna a melhor e única amiga de Jess.

Esses dois vivem aventuras lindas, bem simples usando apenas a imaginação, salvo alguns galhos ou pedaços de madeira. De repente decidem criar um lugar especial em que somente eles tivessem acesso e soubessem da existência, colocam o nome do local de Terabítia, a partir daí as mais incríveis aventuras começam, monstros, princesasm reis e muito mais o que lhes veem a cabeça, tudo é real em Terabítia.

O enredo realmente se mostra bem infantil, como a obra toda em si, só que é mais um daqueles infanto-juvenis "tapa na cara", mostra que as coisas não são realmente como deveriam e de certa forma ensina muita coisa de um jeito sutil. Por exemplo, mostram que nem tudo no mundo gira em torno do dinheiro (meio clichê nos dias de hoje but ok), o valor de uma amizade verdadeira, dentre outras coisas no decorrer da leitura.
Tem muitas partes "chorantes" na obra, uma delas é quando Leslie presenteia Jess com um estojo de pintura, pois ele ma desenhar e se expressa muito bem no papel, é emocionante. Também quando Jess presenteia Leslie com o Princípe de Terabítia ou PT, nossa muito lindo. Leslie ler muito, e durante a obra ela cita Nárnia de CS Lewis e Mobydick de Herman Ville, dois clássicos.

Tem uma surpresa nem tão agradável assim no final do livro que faz você derramar baldes de lágrimas, óbvio que não contarei mas muita gente comenta essa passagem principalmente no YouTube lá no trailer do filme então cuidado com os spoilers.

Ah sim, dessa vez criei coragem e assim que terminei o livro dei uma conferida no filme, tá levemente diferente, pouca coisa mesmo, digamos que ficou 90% fiel a obra, estão de parabéns os diretores, criadores não sei. Confiram abaixo o trailer:


A tradução de Ana Maria Machado foi perfeita, ninguém melhor que ela para tal né, uma ótima escritora conhecidíssima pelas obras infanto-juvenis, todo mundo algum dia querendo ou não já leu algo dela, ou vai dizer que você nunca ouviu falar de Bisa Bia, Bisa Bel?!

Não sou de ficar marcando trechos, mas teve um que curti muito, na página 85:
“Talvez”, pensou, “eu seja um enjeitado, recolhido por aí, como nas histórias. Ou, então, vai ver que há muito tempo, quando ainda tinha água no riacho, eu vim boiando nele, dentro de um cestinho de vime, calafetado com piche. Meu pai me achou e me trouxe para casa porque sempre quis ter um filho e só tinha aquelas meninas idiotas em casa. Meus pais de verdade, e minhas irmãs e irmãos moram muito longe — mais longe do que Virgínia do Oeste, mais até do que Ohio. Em algum lugar, eu tenho uma família, que mora numa casa cheia de livros e que até hoje chora a perda de seu bebê que foi roubado.” 
Só para variar estou deixando o livro para vocês também se deliciarem, é só clicar no botão abaixo.





Sem dúvidas 5 estrelas + FAV eterno, recomendadíssimo!