Pular para o conteúdo principal

Hora de Ler: As Terras Devastadas - Stephen King (Torre Negra #3)



Hey, galerinha! Tudo certo?

Bom, vamos dar continuidade às resenhas d'A Torre Negra. O livro da vez é 'As Terras Devastadas'.

"Depois dos acontecimentos do último livro"™, o ka-tet está quase formado. Jack Mort não se tornou membro dele, a porta dele acabou sendo usada mais pra resolver os assuntos pendentes do lado de cá. Roland pensava que o ka-tet se formaria com o duo Odetta/Detta, mas isso também não ocorre. Então, enquanto o ka-tet não se completa, Roland começa a treinar Eddie e Susannah (o novo "nome" de Odetta) para serem pistoleiros.

Depois de alguns incidentes, o grupo encontra um Feixe de Luz, que é algo como um caminho para a Torre. Basicamente é necessário seguir o Feixe e voilà! Lá estará a Torre! Pena que não vai ser tão fácil...

Quando eles começam a seguir o Feixe, a mente de Roland começa a se dividir a ponto de deixá-lo louco. Isso foi causado por uma ação que ele fez no último livro, um paradoxo (sabe o gato de Schrödinger, aquele que fica vivo e morto? Então, basicamente o que acontece na mente dele é que ele fez E não fez uma coisa. Isso deixa o cara pirado).

Do lado de cá, o último membro do ka-tet também começa a ter a mente dividida, e a única coisa que pode ~curar~ o problema dos dois é a travessia dele pro Mundo Médio. Feito isso, o ka-tet se completa e eles prosseguem viagem rumo à Torre (depois disso, o grupo acha no meio do caminho um bicho que se parece com um cachorro e que tem algumas habilidades de fala semelhantes a de um papagaio, e o chamam de Oi).

Descobre-se que no caminho eles vão ter que seguir viagem em um monotrilho louco (?!?!?!?!) chamado Blaine. Esse monotrilho percorre as Terras Devastadas, que é um trecho em que seria impossível sobreviver a travessia. Lá, se mostram claramente os efeitos de que o mundo seguiu adiante. A plataforma de embarque fica numa grande cidade abandonada chamada Lud. Eles vão enfrentar os perigos da cidade para então enfrentar o maior deles, que é o Blaine.

Bom, a primeira coisa aqui é que eu não falei o nome do último membro do ka-tet. Isso é spoiler pesado, "seriosamente". Tem história amarrada desde o primeiro livro com esse carinha então resolvi omitir o nome dele aqui.

A segunda coisa é que o finalzinho do livro tem uma referência gritante a O Hobbit. Quem curte a história do tio Tolkien vai se amarrar.

A narrativa continua ótima, eu acho que quem tem um pouco de experiência com seriados consegue perceber que o livro quase segue o ritmo de um seriado, com seus arcos de história etc., principalmente o final do livro, ele se encaixa maravilhosamente numa season finale.

King começa a trabalhar também as relações entre os membros do ka-tet; Segundo à mitologia do livro, eles tem que se conhecer bem pras coisas darem certo, então eles vão se conhecendo a todos. Só Roland continua fechado, mas isso porque ele julga que aquela ainda não é a hora certa para isso (e realmente não é: ele começa a falar do passado no próximo livro).

E eu adorei o Blaine, sério. Espero que ele tenha mais uma pontinha nos livros futuros (ops, spoiler).



Como eu disse, no próximo livro o pistoleiro mais amado da literatura (-q) vai abrir o jogo e revelar seu passado, então não perca a próxima resenha!