Hora de Ler: Everybody Sees the Ants - A.S. King


Faala galerinha! De volta com novidade, hoje um livrinho que ainda tá sendo muito bem comentado na blogosfera principalmente lá fora.
Eu procrastinei bastante até decidir escrever esse review, pelo simples motivo de que gostaria muito de fazer vídeo seria mais interessante mas é o que tem pra hoje. Quem sabe depois falo dele no Youtube.

Basicamente o livro conta a história de Lucky, um adolescente de 15 anos que sofre bullying pesado é perseguido por Nader Mc Millan um "amigo" de infância que desde o primeiro contato não foi com a cara dele e já o tratou carinhosamente fazendo xixi no pé dele. Mas não é só isso, claro que o foco é a vida de Lucky porém MUITA coisa acontece "por trás das cortinas" só que isso intercalado com o que ele faz.

Quase não usei flags :D
Como se não bastasse o bullying todo na escola (sério, eu cheguei a chorar em algumas partes) a mãe e o pai do menino são ausentes. Ela só quer saber de nadar tanto que no começo do livro ele se refere a ela como "squid" ou lula em português, já o pai só pensa em cozinhar os dois sabem de Nader mas não podem fazer nada pois o pai dele é um advogado respeitadíssimo na cidade, e o menino se apoia nisso para aprontar com Lucky. Até que um dia Nader esfrega a cara dele no chão com tanta força/ódio que a coisa fica séria, e os pais FINALMENTE decidem fazer algo: viajam para a casa da tia por uns tempos até as coisas se acalmarem.

Relação de Lucky com Tio Dave

O avô do menino tá perdido na guerra do Vietnã e o mais "legal" é que ele sonha com ele mesmo sem nunca o ter visto (só quando muito pequeno e não lembra de nada) sempre dentro de uma floresta densa, obtém respostas, pede ajuda em relação a Nader e o mais incrível: toda vez que ele sonha com o avô os objetos que estão no cenário aparecem NA CAMA quando ele acorda! É surreal.


Na casa da tia acontecem muitas coisas, ele conhece Gina uma menina que se torna sua melhor amiga, "Uncle Dave" substitui o pai mostrando o mundo ao menino, conversando e o convence a malhar na garagem. A amizade deles é linda até uma surpresinha no final...

Lucky é muito... digamos, um menino sensível, não gosta de violência e age como um fantoche para Nader e quem mais quiser fazer maldades com ele. Também é bastante depressivo, já no primeiro dia de aula fez um questionário sobre "a melhor maneira de cometer suicídio" não tem amigos e embora todo esse histórico é amigável com quem o trata bem.

Porém vou parando por aqui senão spoilers irão voar.

~

Faz tempo que vi esse livro nos canais gringos que acompanho e na primeira oportunidade de comprá-lo não hesitei. Desde o início a escrita de A.S. King cativa, é como se Lucky conversasse conosco a linguagem embora simples é deliciosa. A história é cheia de reviravoltas apesar do esteriotipo de quem sofre bullying, a questão familiar também arranca lágrimas tanto na parte do avô quanto da evolução dos pais em contato com Lucky.

A diagramação tá ótima, as partes dos sonhos são diferenciadas com uma espécie de alvo, páginas amareladas, fonte e espaçamento agradáveis e texto justificado ao centro. nota 10.

Diagramação

Como disse inicialmente o livro trata de vários assuntos em background, como lesbianismo, o primeiro beijo, traições, a questão do amadurecimento de Lucky, as primeiras saídas, essas coisas típicas de descoberta.
A trama é muito bem construída fechando todos os mistérios que aparecem durante a leitura, só fiiquei chateado com os sonhos, não me convenceu a resposta final do avô talvez conversando com outras pessoas que leram eu possa entender.

Uma coisa legal é que Lucky curte muito ler e várias indicações ~~subliminares~~ aparecem, tipo Catch 22, The Catcher in the Rye dentre outros clássicos.

No final do livro a autora nos põe para pensar em alguns tópicos um deles é algo do tipo "seria 'Lucky' uma ironia?" no caso ela se refere a palavra "sortudo" e fica aí a dúvida para vocês esclarecerem quando forem ler. Além disso a edição física tem como vantagem uma entrevista com a autora e o primeiro capítulo de Ask The Passengers que me recusei a ler para não dar "gostinho" simplesmente irei encomendar na Cultura.

Bônus no final
Sem dúvidas 5 estrelas + FAV, sério quem curte sick-lit: LEIA!



Everybody Sees the Ants de A.S. King, é composto por 208 páginas, comercializado pela Little Brown and Company, e á venda no Brasil pela Livraria Cultura.