1 Clássico de Cada Vez: The Outsiders - Vidas sem rumo - S.E. Hilton


E aí galerinha, tudo bem? Ultimamente tenho lido muitos clássicos mesmo que "acidentalmente" e isso tem sido ótimo pro blog, sem falar na experiência enriquecedora para mim. Hoje não será muito diferente, além de trazer um pioneiro para o gênero Young Adult, preparados?!



Ponyboy quer conquistar a garota dos seus sonhos e provar que pode entrar para a gangue de seu irmão mais velho: os greasers, que usam gel no cabelo, jaqueta de couro e canivete e estão sempre envolvidos em brigas nos terrenos baldios da cidade, sobretudo contra os socs — filhos de famílias ricas.
Bandidos, delinquentes, marginais (outsiders) ou apenas jovens à procura de uma saída para uma vida sem futuro? Retrato forte e comovente do universo de sonho, revolta e violência da juventude americana dos anos 1960 e de todos os tempos, Vidas sem rumo é um best-seller mundial e um clássico transformado em filme pelo diretor americano Francis Ford Coppola.

~

Esse é mais um daqueles posts que eu não sei por onde começar, culpa do livro que me impactou de várias formas. The Outsiders é um relato detalhado de como era a vida dos adolescentes nos anos 60, onde ter 20 anos já se era considerado O adulto com muita experiência e coisas do tipo, o que faz sentido quando a perspectiva de vida era baixa e o normal eram as pessoas morrerem bem mais cedo que hoje em dia, por volta dos 40 anos mais ou menos.


A autora cria uma atmosfera típica de filmes da sessão da tarde, com muitas situações "embaraçosas" para os personagens que estão vivendo aquilo, mas que, para nós não passam de coisas simples a serem resolvidas. Obviamente que temos um pouco de clichê aqui e ali, ainda mais se tratando de um dos primeiros livros declaradamente YOUNG ADULT, fonte essa que mais tarde os autores contemporâneos iriam explorar com afinco tornando a obra de Susan apenas mais uma nesse mar de livros sobre adolescentes problemáticos, mas que na época e por um bom tempo serviu de referência e panorama para uma geração.

Falando um pouco da história é bem simples, mas muito bem estruturada, explorando as angústias do personagem principal e seus amigos, expondo os pensamentos e detalhando com muita perspicácia as nuances do que é ser adolescente. Como é viver órfão com seus irmãos sem qualidade de vida nem recursos e ainda ter que lidar com um bando de riquinhos que aparecem de repente para violentá-los sem motivo, apenas por serem "greasers". Mesmo tendo uma narrativa leve esse livro por muitas vezes é "pesado" e principalmente nessa parte das gangues é bem violenta, ela mais uma vez mostra sua habilidade detalhando as brigas, sangue e cicatrizes.

Uma coisa linda nessa história é o companheirismo dessa "turma" o verdadeiro sentido de amizade, a e até amor pelos outros, demonstrado tão intensamente, se unindo em todas as situações e se tornando uma verdadeira família de delinquentes juvenis, cada um com seus problemas familiares deixando de lado qualquer diferença quando estão juntos.

Existe uma adaptação cinematográfica de 1983 muito famosa que eu nunca tinha visto muito fiel ao livro, com os principais detalhes que nos trazem ás lágrimas e atores tão cativantes quanto no livro. Nota 10 também!

via GIPHY

É um livro com ritmo rápido, muitas coisas acontecendo a todo momento, e que ainda assim tem espaço para as melhores divagações já escritas em relação a angústia juvenil. Nem preciso dizer que fiquei refletindo em algumas situações mostradas, nos assuntos que a autora abordou, e principalmente, nas opiniões dos personagens sobre a vida. Em suma: Um livrão!

Sem dúvidas 5 estrelas. Sem mais.


Quotes:

as coisas são como são, e pronto.

Se não fosse a turma, Johnny nunca teria sabido o que é amor e afeto.

A gente até que merece uma boa parte das encrencas que arranja, pensei.

Você defende os seus camaradas, não importa o que fazem.

Parece que a gente está sempre atrás de alguma coisa que nos satisfaça, sem nunca encontrar.

Bônus:

A banda americana The Get Up Kids tem uma música em homenagem ao livro, do álbum Four Minute Mile de 1997 (a estréia deles e um marco na música).

Comentários