Hora de Ler: O Homem de Giz - C.J. Tudor


Fala galerinha, tudo bem? O thriller mais aguardado do ano chegou por aqui, bora conferir se é isso tudo mesmo?!

Em 1986, Eddie e os amigos passam a maior parte dos dias andando de bicicleta pela pacata vizinhança em busca de aventuras.
Os desenhos a giz são seu código secreto: homenzinhos rabiscados no asfalto; mensagens que só eles entendem. Mas um desenho misterioso leva o grupo de crianças até um corpo desmembrado e espalhado em um bosque. Depois disso, nada mais é como antes.

Em 2016, Eddie se esforça para superar o passado, até que um dia ele e os amigos de infância recebem um mesmo aviso: o desenho de um homem de giz enforcado. Quando um dos amigos aparece morto, Eddie tem certeza de que precisa descobrir o que de fato aconteceu trinta anos atrás.

~

Então, a autora conseguiu desenvolver uma narrativa inteligente, complexa e que no fim tem todos os pontos apresentados interligados, tudo, absolutamente tudo é importante o que nos obriga a prestar atenção nos detalhes mais ínfimos da história. Ela começa muito de repente sem você saber de nada nem ninguém e o narrador vai falando como se fosse seu melhor amigo relembrando os fatos, que só começam a fazer sentido mesmo lá pela metade do livro que é quando voltamos a primeira página e tudo se encaixa. Sinceramente gosto desse tipo de narrativa "quebra-cabeça" apesar de no início sempre ficar muito ansioso e com medo de as coisas não se encaixarem no futuro.

Sobre as referências não senti nada nem perto de Stranger Things como estão anunciando, a única semelhança é o grupo de crianças e um fato estranho na pequena cidade inabitada. Já sobre Stephen King tem um filme com premissa bem parecida chamado Conta Comigo, baseado num conto do autor.

via GIPHY

Tudo na história gira em torno dessa gangue de crianças que aprontavam todas na cidade e em meio a isso surgem histórias paralelas de cada um dos 5 que se for detalhar perde todo o brilho do livro. Sempre alternando entre passado e presente, durante o desenrolar levei vários sustos, muitas surpresas mas nenhum plot twist como esperava, o final foi bem executado, ao mesmo tempo que para a grandiosidade do que foi desenvolvido ficou um final "preguiçoso" esperei bem mais da autora nesse ponto. É um livro bom, com alguns furos aqui e ali mas que podem ser facilmente relevados devido a fluidez da narrativa, os personagens carismáticos e um lado bem sangrento e macabro da autora que exalta as descrições de corpos mutilados, sangue e uma atmosfera anos 80.

Em meio a isso tudo ainda teve brecha para inserir umas referências aqui e acolá, fluxos de pensamento do protagonista (que se torna cansativo quando chegamos no final), e algumas lições que nos fazem pensar um pouco.

Sendo assim leva 4 estrelas pelo final "corrido" mas convincente, sem dúvidas um livro que vale muito a pena ser conferido e a partir de agora C.J. entra no hall dos autores-que-lerei-tudo-que-for-publicado.




Quotes:

As crianças também tem segredos. Às vezes, mais do que os adultos.

Nem sempre o que nos molda são as nossas realizações, e sim as nossas omissões.

As pessoas boas não precisam ter religião, porque sabem em seu íntimo que estão fazendo a coisa certa.

O amor não é uma escolha, é uma compulsão.

Afinal quem somos nós além da soma de nossas experiências, das coisas que aprendemos e colecionamos ao longo da vida?

Detalhes da edição:

Comentários